fbpx

Entrevista do mês: Lígia Vasconcellos

Meio Ambiente precisa ser abordado de forma ampla e qualificada

A possibilidade de discutir questões ambientais de forma ampla, objetiva e qualificada foi o que motivou a economista Lígia Vasconcellos a mudar seu foco de atenção da área de educação para a sustentabilidade. Há um mês à frente da diretoria científica do Instituto Escolhas, ela afirma ter criado a convicção de que meio ambiente tem a ver com nossa sobrevivência. Doutora em Economia pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), Lígia é especialista em avaliação de projetos sociais e políticas públicas, com ênfase em temas de educação e bem-estar social. Foi gerente de Avaliação de Projetos do Itaú por 12 anos, respondendo pela avaliação de projetos sociais e políticas de sustentabilidade. Também apoiou a criação do Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais no Itaú. Atuou, ainda, como consultora do Banco Mundial e GV Consult, e ministrou disciplinas na PUC-SP e UNIP.

Escolhas – Sua atuação até então era focada na área de educação. Por que resolveu partir para um trabalho voltado para sustentabilidade?
Lígia Vasconcellos – Há alguns anos estou olhando esse tema à distância e vendo como tem se tornado importante. Resolvi que não queria ficar apenas como expectadora, precisava me envolver com as questões ambientais. Nos últimos anos, nossos estudos, no Itaú Social, já estavam entrando nessa área e fui criando a convicção de que meio ambiente tem a ver com nossa sobrevivência, é uma questão muito ampla. Vir para o Escolhas foi uma boa coincidência, pois como também olha para o social, não estou deixando meu antigo foco para trás.

Escolhas – Na educação, que era o tema principal do seu trabalho, há muitos estudos e investimentos sendo realizados, mas, mesmo assim, os resultados não têm sido muito promissores no país. Como você avalia isso?
Vasconcellos – Há dois aspectos a serem vistos. O primeiro é que existe uma impaciência em relação a resultados. Na educação básica, eles estão aparecendo, mas são lentos. Em segundo lugar, há muitas políticas com poucas avaliações. E olha que elas existem, mas não é tudo que é avaliado. Nessa área, há mais avalição de impacto social do que em outras, mas não o suficiente, já que há muitas frentes de atuação. Pode-se trabalhar com o diretor, com o professor, com o conteúdo, são muitos caminhos. Avaliações mais assertivas ajudariam a melhorar a aplicação dos recursos.

Escolhas – Estudos mais assertivos poderiam ajudar também a melhorar a performance de projetos relacionados à sustentabilidade?
Vasconcellos – Sim, as avaliações, e seus usos, no campo do meio ambiente ajudarão a colocar o tema em mais evidência e com mais robustez, da mesma forma que impulsionaram o tema Educação no debate político.

Escolhas – Na sua visão, o Escolhas pode colaborar para se chegar a decisões mais objetivas e com maiores resultados na área ambiental?
Vasconcellos – A ideia que me atraiu no Instituto foi justamente o enfoque de buscar discutir as questões de forma ampla, objetiva e qualificada. Partir de perguntas como: onde estão os incentivos que levam o país a continuar a ter desflorestamento? Que incentivos podem levar o país a ter mais saneamento? Como fazer as coisas acontecerem? Uma das grandes preocupações do Escolhas é trazer dados numéricos que possam subsidiar as decisões relacionadas, sobretudo, a meio ambiente e economia. São muitos temas possíveis, o importante é ter uma visão mais embasada em dados e estudos.

Escolhas – Quais são as grandes escolhas que precisamos urgentemente fazer no Brasil para garantir um desenvolvimento que contemple as três vertentes da sustentabilidade (ambiental, econômica e social)?
Vasconcellos – Uma delas é de natureza energética. Mesmo que o Brasil tenha uma matriz mais limpa que outros países, precisa decidir se quer ser ainda mais limpo, a partir de questões como o uso do pré-sal na composição da matriz. A Amazônia é uma vitrine para o mundo e é preciso discutir como tratar o desmatamento de uma forma economicamente e ambientalmente viável. Se não se olhar um desses aspectos não dará conta do outro, inclusive por conta do aspecto social. Água é um problema que vem emergindo, já sentimos os efeitos da sua falta, seja por mudança climática ou simplesmente mau uso.