Instituto Escolhas lança nova plataforma com foco em moradia e mobilidade

#Quantoé? Morar Longe apresenta dados da Região Metropolitana de São Paulo

 

Você mora longe? Já parou para pensar o quanto custa para você morar longe da área central da Região Metropolitana de São Paulo? Qual é o impacto disso no seu dia a dia? De acordo com a ONU, 55% das pessoas do mundo vivem, atualmente, nas cidades e estima-se que esse número chegue a 68% em 2050.

O #Escolhas lançou a Plataforma #Quanto é? Morar longe, que possibilita que o cidadão conheça os custos monetários e não monetários associados a cada área da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), que possui 39 municípios, um total de 7.946 km², onde moram cerca de 21,5 milhões de habitantes segundo estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas – IBGE. É a principal aglomeração urbana da América do Sul e é a quinta maior aglomeração urbana do planeta.

Para se ter uma ideia desses custos, o Escolhas disponibiliza informações sobre preço da terra (R$/m2), qualidade da educação, índices de violência com a probabilidade de ocorrência de homicídios e o tempo médio de deslocamento por motivo de trabalho em relação ao endereço da RMSP escolhido.

Preço da Terra e Qualidade de vida

Para a estimar o valor da terra utilizou-se o “modelo hedônico de preços”. Esse modelo é muito utilizado para se analisar os mercados de imóveis urbanos, pois ele identifica as características implícitas dos imóveis que vão além das diretamente observáveis para compor o preço. Já em relação à violência, no Brasil, infelizmente ela tem CEP. A percepção de insegurança acarreta prejuízos diretos para a qualidade de vida da população, pois afeta diretamente o acesso às atividades em áreas públicas e impõe um regime de vigília permanente na vida das pessoas. A mensuração contou com a informação georreferenciada dos boletins de ocorrência (BO) ocorridos de janeiro de 2003 e maio de 2017, fornecidos pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP/SP).

Educação

Para medir a qualidade da educação, a plataforma partiu dos dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) georreferenciados das escolas públicas de ensino fundamental presentes na RMSP. Esse indicador nos fornece, em um só valor, dois resultados importantes: o desempenho do aluno nas avaliações e se eles estão cursando a série adequada para sua idade (fluxo escolar).

O cálculo deste índice utiliza dados de aprovação escolar e as médias de desempenho nas avaliações dos estudantes ao final das etapas de ensino (4ª e 8ª séries do ensino fundamental e 3ª série do ensino médio). O valor do IDEB está entre 0 e 10, sendo que quanto maior o valor do indicador, melhor é a qualidade da educação básica. As informações são coletadas ao nível da escola.

Mobilidade Urbana

A plataforma também possibilita que o cidadão possa obter uma avaliação personalizada do custo da sua mobilidade, uma estimativa do custo monetário do tempo de deslocamento e da quantidade de gases de efeito estufa (GEE) emitida em seu trajeto. Ao escolher origem, destino e meio de locomoção (transporte público, carro, bicicleta e a pé), a plataforma fornece a distância, o tempo estimado, o custo desse tempo e o total de emissões geradas.

No caso de transporte público, para o ônibus urbano, o cálculo per capta de emissões se dá por queima de combustível como por exemplo o diesel. Já para metrô/trem, bicicleta e caminhada não possuem emissões GEE e para o carro, o cálculo de emissões calculam as opções etanol e gasolina.

A plataforma foi desenvolvida a partir dos resultados do estudo “Morar Longe: o Programa Minha Casa Minha Vida e a expansão das Regiões Metropolitanas” e dos resultados da dissertação de mestrado do ex-bolsista Ricardo Campante Cardoso Vale do Programa de Bolsas Cátedra Escolhas Economia e Meio Ambiente “Os custos de bem-estar do congestionamento do trânsito na Região Metropolitana de São Paulo”.

Confira a Plataforma aqui!

Leia também: Qual o impacto do programa Minha Casa Minha Vida na expansão das metrópoles?