fbpx

Cresce no Brasil o número de economistas preocupados com as questões ambientais      

        Programa de Bolsas da Cátedra Escolhas concede número recorde de bolsas de doutorado e mestrado 

O Programa de Bolsas Cátedra Escolhas de Economia e Meio Ambiente vai apoiar em 2021 o número recorde de sete pesquisadores, sendo seis de doutorado e um de mestrado.  Coube a uma banca de especialistas em temas econômicos e ambientais selecionar os novos bolsistas dentre os 44 projetos que concorreram.      

Esse é o maior número de bolsas concedidas desde que a Cátedra Escolhas foi criada em 2016, com o objetivo de incentivar o desenvolvimento de pesquisas de excelência sobre questões ambientais e a economia do país.

Participaram da banca os economistas: Rudi Rocha, da Escola de Administração da FGV-SP; Amanda Schutze, da PUC-Rio e do Climate Policy Initiative; Sandra Buenafuente, do Depto. de Economia da Federal de Roraima; e Carlos Manso, do Laboratório de Estudos da Pobreza da Federal do Ceará. 

As pesquisas selecionadas produzirão evidências científicas que vão qualificar o debate público sobre temas fundamentais para o desenvolvimento sustentável do país. Por exemplo, o projeto de doutorado de Ludgero Rego Barros Neto, da Universidade Federal do Pará, vai analisar os impactos da economia de mercado sobre a agroecologia na Amazônia. Carolina Simões, doutoranda da Federal de Pelotas, vai abordar como a navegação de cabotagem pode impulsionar uma economia de baixo carbono. Já Alexandre Fonseca, da Federal de Pernambuco, vai explorar o impacto da municipalização do Imposto Territorial Rural (ITR) sobre a arrecadação e o meio ambiente. No mestrado, Thalles Liduares, da Faculdade de Economia da USP de Ribeirão Preto, discutirá a viabilidade econômica do novo marco legal do saneamento.

Para Stefanie Schmitt, coordenadora da Cátedra Escolhas, o Programa de Bolsas vem dando uma contribuição fundamental para que o Brasil possa contar com economistas dedicados ao estudo de questões ambientais, como o impacto das mudanças climáticas sobre a produtividade agrícola, que foi tema de uma das teses já defendidas por bolsista apoiado pelo programa. 

“O Programa de Bolsas, que já apoiou, ao longo de cinco anos, 30 economistas, é indispensável para que o país tenha especialistas qualificados para uma retomada verde da economia brasileira no cenário pós-pandemia”, diz Stefanie.

 

Os projetos selecionados são:     

 

Doutorado:

– “Commodity de risco florestal: evidências para a exportação de soja do cerrado Mato-Grossense”, de Adonnay Martins Barbosa, orientado por Roldan Muradian, da Universidade Federal Fluminense, do Rio de Janeiro.     

 “Municipalização via convênio do Imposto Territorial Rural: arrecadação, justiça social e preservação ambiental”, de Alexandre de Andrade Fonseca, orientado por Breno Ramos Sampaio, da Universidade Federal de Pernambuco.     

– “Uma economia de baixo carbono: uma proposta através da Cabotagem” de Carolina de Lima Simões, orientada por Gabrielito Rauter Menezes, da Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul.

“Dinâmicas agroecológicas de produção, certificação e mercado: A Rede Amazônica de Agroecologia”, de Ludgero Rego Barros Neto, orientado por Armando Lirio de Souza, da Universidade do Pará.

– “Essays on Environmental Economics, que traz três artigos sobre como ciclos de commodities afetam o meio ambiente, de Mário Malta Campos Dotta e Silva, orientado por Daniel Ferreira Pereira Gonçalves da Mata, da Fundação Getúlio Vargas, de São Paulo.

– Avaliação de Políticas de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil”, de Thiago Antonio Pastorelli Rodrigues, orientado por Paula Carvalho Pereda, da Faculdade de Economia e Administração da USP.

 

Mestrado:

“Análise de viabilidade econômico-financeira da prestação regionalizada dos serviços de saneamento básico” de Thalles Quinaglia Liduares orientado por Bruno César Aurichio Ledo, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, da USP

 

Sobre a Cátedra:

O Programa de Bolsas da Cátedra Escolhas de Economia e Meio Ambiente está em sua 5º edição e conta com apoio do Itaú, da Porticus e do Instituto Galo da Manhã. Tem por objetivo incentivar que economistas pesquisem questões ambientais para que o Brasil supere um dos principais desafios do nosso tempo, que é o de promover crescimento econômico com redução das desigualdades sociais, conjugada à proteção do meio ambiente e ao estabelecimento de políticas para a solução das mudanças climáticas. Desde seu início, o programa conta 30 bolsistas de doutorado e mestrado, sendo que 14 deles já defenderam suas teses.

Para saber mais sobre os projetos e bolsistas: https://www.escolhas.org/catedra/noticias-catedra/

Conheça também a série especial de Policy Briefs realizados pelos bolsistas: https://www.escolhas.org/policy-brief/